Inauguração da Ponte Anita Garibaldi

Inauguração da Ponte Anita Garibaldi

A duplicação da BR-101 sul, entre os municípios da Palhoça (Santa Catarina) e Osório  (Rio Grande do Sul), foi uma medida do Governo Federal com o intuito de dinamizar o tráfego de veículos, aumentar a capacidade da rodovia e melhorar seu nível de serviço, a fim de evitar os longos e frequentes congestionamentos na região sul do país.

Esperada há pelo menos 20 anos por catarinenses e gaúchos, essa grande obra de infraestrutura parece finalmente estar próximo do fim. Um dos marcos da conclusão da duplicação é a construção de uma nova ponte no município de Laguna, a qual substituirá a antiga e defasada ponte Henrique Lage, atualmente um gargalo para o tráfego de veículos na região.

O início da construção da tão aguardada ponte em Laguna deu-se em 3 de março de 2011, com a vitória do consórcio formado entre a Construtora Camargo Corrêa, Construtora Aterpa M. Martins e Construbase Engenharia, que apresentou uma proposta de R$ 597,2 milhões e uma previsão de término da obra de 3 anos. A ponte foi nomeada Anita Garibaldi, uma homenagem à famosa heroína de dois mundos, lagunense e defensora da liberdade. Com cerca de 2,8km é a terceira maior do Brasil, além de ser a primeira ponte estaiada em curva no país.

foto 6

Figura 01 – Com cerca de 2,8km é a terceira maior do Brasil, além de ser a primeira ponte estaiada em curva no país.

A construção envolveu o uso de tecnologias inovadoras, que proporcionaram maior mecanização da produção dos materiais utilizados, um rigoroso planejamento e cuidadosa execução, a fim de não comprometer o meio ambiente local, caracterizado pela diversidade da sua fauna marinha e por suas riquezas naturais.

O planejamento elaborado pelos engenheiros para a execução das obras foi dividido em 4 etapas, apresentadas a seguir:

Etapa 1 – Fundações: A primeira etapa consistiu na realização da cravação de camisas metálicas no maciço rochoso sob o leito da lagoa, com a posterior remoção do solo através de equipamento especial. Por fim, foram aplicados os vergalhões de concreto e então feita a concretagem da estaca. O trecho corrido é sustentado por 51 apoios formados por 2 estacas cada, já a fundação das torres norte e sul, que formam o trecho estaiado, foram executadas com 22 estacas com profundidade média de 45 m;

Foto 4

Figura 02 – Execução dos pares de estacas que formam o trecho corrido da ponte.

Etapa 2 – Construção dos Pilares: Feitas as fundações, o próximo passo foi realizar a construção dos blocos de coroamento das estacas, a fim de uni-las para receberem as cargas dos pilares de concreto, que por sua vez têm a função sustentar as aduelas pré-moldadas. Cada uma delas possui 30 toneladas e cerca de 4m de comprimento. Essas aduelas foram previamente executadas em um canteiro de obra localizado estrategicamente, transportadas por balsas e posteriormente içadas e unidas de modo a formar o tabuleiro da ponte;

Foto 1

Figura 03 – Trecho corrido praticamente finalizado.

Etapa 3 – Construção das Torres: A construção das torres norte e sul ocorreu sobre a fundação, formada pelas 22 estacas para cada torre, onde cada mastro foi executado in-loco, de modo que, quando prontos, alcançassem uma altura de 50 m com relação ao tabuleiro da ponte. Além disso, nessa etapa foram inseridos os estais, precisamente 30 em cada torre, de modo que realizem a sustentação da parte estaiada.

Foto 8

Figura 04 – Execução de uma das torres do trecho estaiado da ponte.

Etapa 4 – Acabamento: O acabamento da ponte se deu pela colocação das estruturas de concreto em formato de mão-francesa, iluminação, asfalto, etc. Algumas dessas etapas estavam sendo finalizadas no mês de junho.

Foto 11

Figura 05 – Testes da iluminação antes da inauguração oficial.

Dentre as etapas adotadas na obra da ponte de Laguna, na etapa 2 uma das tecnologias mais marcantes foi a utilização de uma Treliça lançadeira de aduelas pré-moldadas. Trazida diretamente de Portugal, o equipamento permite executar e protender um vão inteiro, e no caso da ponte Anita Garibaldi serviu para a construção dos 52 vãos do trecho corrido, cada vão formado com 14 aduelas pré-moldadas.

Figura 06 – Montagem das aduelas pré-moldadas através da Treliça lançadeira.

Depois da paralisação devido à falta de pagamento por parte do governo, as obras foram finalmente retomadas em meados de maio, permitindo a continuação das etapas finais da ponte. Hoje, com a obra concluída, é aguardada a inauguração para o dia 15 de julho, próxima quarta-feira, com a presença da Presidente da República e outras autoridades oficiais. Nesta mesma data também será inaugurada outra importante obra que faz parte da duplicação da BR-101 sul, o Túnel do Morro do Formigão.

Abaixo seguem alguns dados técnicos da ponte:

  1. A largura total será de 25,3 metros, com duas faixas de tráfego para cada sentido, com 3,6 metros cada, e mais acostamento de 3 metros.
  2. A separação entre os dois sentidos será com barreiras de concreto do tipo New Jersey, que permitem um acabamento e desempenho muito superior às barreiras tradicionais.
  3. A Torre Norte (km 314,855) tem estaqueamento de 65,07 metros;A Torre Sul (km 315,055), 52,10 metros.
  4. A obra consumiu em torno de 2,5 mil toneladas de aço estrutural e 65 mil toneladas de concreto.

Autoria: Gabriel Dibe Andrade