Tipos e eficiência de filtros para água pluvial: revisão de literatura

Tipos e eficiência de filtros para água pluvial: revisão de literatura

O PET Engenharia Civil está desenvolvendo uma revisão da literatura a respeito de diferentes tipos de filtros de água pluvial. A pesquisa está sendo orientada pelo professor Dr. Enedir Ghisi e está sendo desenvolvida pelas bolsistas Aline Eloize Borgert, Cristina Damázio Pacheco, Júlia May Vendrami  e Leticia Dalpaz de Azevedo.

O aumento da demanda de água em áreas urbanas tem ocasionado uma crescente busca pela utilização consciente deste recurso. O aproveitamento de águas pluviais tem sido cada vez mais explorado como um meio viável de suprimento de água, principalmente em países em desenvolvimento. Buscando a otimização dos sistemas de captação existentes, muitas pesquisas têm sido desenvolvidas analisando características como a durabilidade, funcionalidade, viabilidade e eficácia dos mesmos.

Armazenar e utilizar água pluvial proporciona muitos benefícios como economia de água, preservação de águas naturais, redução das enchentes e alagamentos, melhora do clima e meio ambiente.

A água pluvial coletada de telhados geralmente requer menos tratamento que águas cinzas por conter menores quantidades de poluentes, sendo, uma alternativa sustentável para a substituição da água potável quando utilizado tratamento adequado. Entretanto, pode-se encontrar em sua composição poluentes químicos e microrganismos, como poeira, partículas, compostos orgânicos halogenados, metais pesados, íons, microrganismos patogênicos e desreguladores endócrinos. Conforme Adler e Hudson-Edwards (2011), esses poluentes são originados de uma atmosfera ou áreas de captação poluídas e tanques contaminados. Em consequência disso, seu consumo direto é desaconselhado pela World Health Organization (WHO). Outro aspecto negativo da coleta de águas pluviais é sua instabilidade, uma vez que depende de condições meteorológicas e do clima, além de variações sazonais (Kim et al., 2003).

Com o crescente interesse no aproveitamento de águas pluviais, diversos modelos de filtros têm surgido no mercado. Dentre os diferentes tipos, é possível encontrar modelos que não utilizam energia elétrica, são auto-limpantes, exigem pouca manutenção, de fluxo ascendente ou descendente, entre outros. Há ainda estudos que analisam meios filtrantes compostos por materiais diferenciados, como concreto permeável, ou até mesmo camadas de solos presentes nos telhados verdes.

desenho filtro im et al 2003

O objetivo principal deste estudo é analisar, por meio de uma revisão bibliográfica, os diferentes modelos e a eficiência de filtros utilizados para o tratamento de águas pluviais. Estão sendo levantadas características que tornam possível a análise comparativa entre aspectos econômicos, a eficiência e a necessidade de manutenção dos mesmos.

A pesquisa se torna ainda mais relevante devido ao projeto de lei nº 1.231/2013, de autoria do vereador Pedro de Assis Silvestre (PP), que foi aprovado pela Câmara Municipal de Florianópolis no dia 1º de fevereiro desse ano. A lei determina que todas as edificações, comerciais e residenciais, com área acima de 200m² construídas em Florianópolis  disponham de um sistema de captação de água das chuvas para reuso com fins não potáveis.